sábado, 15 de outubro de 2016

Golpe do noivo

By Rosana Leite Antunes de Barros
A ONU alertou mulheres brasileiras, dias atrás, sobre uma nova fraude cometida por homens estrangeiros, a fim de obter informações sobre endereços e dinheiro no Brasil. O engodo é cometido geralmente por Skype, redes sociais e sites de relacionamento, com a utilização do sentimento feminino, máxime das brasileiras, extremamente sonhadoras. Esses criminosos ou terroristas afirmam às mulheres que se apaixonaram. Em alguns casos, é enviado dinheiro para ajudar o “amor” a se deslocar para o Brasil. A “história” contada por eles tem sido parecidas.

Afirmam que estão em missão de paz em Bagdá, Síria, Cabul, Iraque, e pedem paras as mulheres enviar e-mail pedindo autorização para o deslocamento para visitá-las no Brasil. Somente em 2016 já foram mais de 75 pedidos ou questionamentos de brasileiras, depois de conhecer homens por redes sociais, para saber se as informações fornecidas por eles eram legítimas. Em todos os casos, a ONU informa que se cuida de fraude. A preocupação do Rio de Janeiro com o grande número de mulheres vítimas fez com que uma campanha fosse pensada, orientando mulheres a não fornecer dados a nenhum tipo de grupo. Segundo apurado, além de dinheiro, desejam a facilitação do visto brasileiro em outros países.

As mulheres ainda são vítimas de alguns crimes possíveis de evitar, tais como a violência doméstica, e fraudes como a aqui mencionada, por sonhar com o príncipe encantado. Esse frisson em torno do casamento dos sonhos é algo alimentado por mulheres desde a tenra infância. As historinhas infantis de príncipes e princesas, os contos de fadas e carruagens são ensinados naturalmente para as meninas, fazendo com que a ilusão tome o lugar da realidade.

Os ensinamentos religiosos incluem no imaginário feminino o fascínio por algo inexistente. Décadas atrás o mundo se vislumbrou com o casamento de Lady Di e o Príncipe Charles, cujo o final é de conhecimento mundial. Em 29 de abril de 2011 foi a vez do Príncipe Willian com a plebeia Kate Middleton, com transmissão ao vivo pela internet e TV. Quantas meninas não deixaram o imaginário à solta naquele dia? Fantasias e mais fantasias de amor. A chegada do príncipe noivo à espera da linda noiva em seu vestido impecável.

A aparição na sacada real, onde toda a família se reuniu para mostrar a todas e todos a felicidade do novel casal. Teve até um beijo tímido. Fizerem faculdade na mesma época e começaram o romance. Após idas e vindas, resolveram presentear o amor com um lindo enlace.

É compreensível que unir escovas de dentes exige muita reflexão e cuidado. A felicidade, pelo menos do par, deve acontecer diariamente. Os pontos divergentes merecem a solução mais leal possível. Todavia, príncipe no cavalo alado é termo utópico. As mulheres passam por tamanha infelicidade por acreditar no amor irreal. Encontros via rede social, juras de amor por Skype, será fidedigno? Toda regra tem exceção, senão, obviamente, não seria regra. Todavia, a prudência deve existir, evitando o mal maior.

Quanto ao ardil, algumas mulheres enviaram o pouco que detinham de recursos financeiros para o “noivo fictício”, com a esperança que viessem passar férias no Brasil. Cópia dos documentos pessoais de algumas foram remetidos por internet para os criminosos. Após, receberam aviso, em português, sobre como proceder. Elas são instruídas a depositar U$ 700 para que o dossiê seja liberado. Entre relatos colhidos por vítimas um deles chama a atenção: “Meu noivo é residente e domiciliado na cidade de Dallas Geórgia USA, vamos nos casar e eu preciso saber quais são os procedimentos legais para que esse casamento se realize em breves dias (…) Ele está em missão de paz pela ONU na Síria, precisa da permissão de férias para que venha ao Brasil (…)”.
Mulheres, todo cuidado é pouco!

(*) Rosana Leite Antunes de Barros é Defensora Pública e Presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Mato Grosso
Artigo original em: http://www.atribunamt.com.br